Aprendendo as regras do racismo

Nestes dias, pensei em como a ficção, de uma maneira mais livre, consegue representar a realidade e como, por esse motivo, conseguimos nos identificar com as situações vividas pelos personagens literários. Cara leitora, você irá entender as vivências pelas quais passamos ao longo dessa vida; e nós, mulheres negras, carregamos marcas e cicatrizes internas que... Continuar Lendo →

Vermelho vivo

Patrice Lawrence. Cores vivas. Darkside, 2019. Cores vivas veio à luz como romance de estreia da escritora e jornalista Patrice Lawrence, membro de uma família ítalo-trinitária residindo na Inglaterra, formada em escrita para cinema e TV. A escrita de Lawrence voltada para o público infanto-juvenil rendeu-lhe alguns prêmios, como o The bookseller YA book prize.... Continuar Lendo →

Pelos olhos de Blanche

Barbara Neely. Blanche em apuros. Darkside, 2022. Barbara Neely é uma romancista e ativista dos direitos das mulheres nascida em Pittsburgh, nos Estados Unidos, em 1941. Formada em gestão de negócios, planejamento urbano e escrita criativa, Barbara é autora da premiada série de livros “Blanche on the lam”. O livro Blanche em apuros, lançado pela... Continuar Lendo →

Essa dama bate bué!

Yara Nakahanda Monteiro. Essa dama bate bué! Todavia, 2021. A publicação do romance Essa damá bate bué! marcou a estreia de Yara Nakahanda Monteiro no cenário contemporâneo das literaturas de Língua Portuguesa. A autora nasceu em Huambo, na Angola, mas cresceu e foi educada formalmente em Lisboa, Portugal. Esse trânsito entre os dois países revela... Continuar Lendo →

O jardim de reflexões de Djaimilia

Djaimilia Pereira de Almeida. A Visão das Plantas. Todavia, 2020. Djaimilia Pereira de Almeida é um dos nomes de referência da literatura portuguesa na atualidade. Autora de Esse Cabelo; Luanda, Lisboa, Paraíso (vencedor do prêmio Oceanos em 2019) e Pintando com o Pé, entre outras obras, Djaimilia e sua escrita atravessam mundos; seus livros se... Continuar Lendo →

A terceira vida de Grange Copeland

Alice Walker. A terceira vida de Grange Copeland. Tradução de Carol Simmer e Marina Vargas. José Olympio, 2020. A terceira vida de Grange Copeland foi publicado em 1970, quando Alice Walker tinha 26 anos; apenas três anos antes ela havia estreado como escritora, publicando sua primeira narrativa curta – e, em 1968, viera a lume... Continuar Lendo →

Americanah

Chimamanda Ngozi Adichie. Americanah. Tradução de Julia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2014. Premiada obra da escritora e feminista nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie – autora de outras grandes obras como Meio Sol Amarelo, Hibisco Roxo e Sejamos Todos Feministas, as duas últimas já resenhadas aqui no blog –, Americanah nos permite acompanhar a trajetória... Continuar Lendo →

Um outro Brooklyn

Jacqueline Woodson. Um outro Brooklyn. Todavia, 2020. Um outro Brooklyn foi o primeiro romance escrito e protagonizado por mulheres negras que eu li. Fiquei bastante eufórica em ler esse belo romance de Jacqueline Woodson, publicado no Brasil em tradução de Stephanie Borges – jornalista, poeta e tradutora negra –, porque a escritora diz ter revisitado... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑