Vozes da resistência (I)

Priscilla Mina (Org.). Vozes da resistência. Conexão 7, 2020. Vozes da resistência, organizado pela editora Priscilla Mina e publicado pela Conexão 7 – empresa composta por Priscilla e seus dois irmãos que tem, entre seus propósitos, atender às demandas do povo negro – é o segundo volume do Projeto Identidade. Como o primeiro volume do... Continuar Lendo →

Uma carta à gente branca

Cara gente branca, já que vocês decidiram perguntar – a gente já tem falado disso há um tempo e vocês não quiseram ouvir, mas enfim –, vou responder à sua pergunta: o que você pode fazer para não ser racista? Vamos começar relembrando um pouco da sua história de luta contra o racismo. Sua batalha... Continuar Lendo →

O afrofuturismo e a Sankofia de Lu Ain-Zaila

Lu Ain-Zaila. Sankofia: breves histórias sobre afrofuturismo. Edição da autora, 2018. Após iniciar a minha leitura dos contos de Lu Ain-Zaila, fiquei imaginando como seriam os filmes de ficção científica caso introduzissem a cultura de matrizes africanas. Será que Blade Runner teria alcançado tanto sucesso, se no papel principal tivesse uma atriz negra? E se... Continuar Lendo →

Discutindo raça e representação

bell hooks. Olhares Negros: raça e representação. Editora Elefante, 2019. Lançado em 1992 nos Estados Unidos, Olhares Negros chega ao Brasil, pela Editora Elefante, mais de duas décadas depois, mas tratando de temas atuais e altamente relevantes. Esse trabalho incrível conta com a tradução da Stephanie Borges, com o prefácio de Rosane Borges e capa... Continuar Lendo →

Americanah

Chimamanda Ngozi Adichie. Americanah. Tradução de Julia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2014. Premiada obra da escritora e feminista nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie – autora de outras grandes obras como Meio Sol Amarelo, Hibisco Roxo e Sejamos Todos Feministas, as duas últimas já resenhadas aqui no blog –, Americanah nos permite acompanhar a trajetória... Continuar Lendo →

Tempos difíceis. Tempos cruéis

Imagem por society6 São tempos difíceis. Tempos cruéis. Estamos vivenciando uma situação que se assemelha com o que estudamos nos livros de História e que parecia muito distante de nossa realidade. Um cenário parecido com algum enredo de um filme apocalíptico ou com alguma narrativa distópica. Mas, não. Infelizmente, é nossa realidade atual, a qual... Continuar Lendo →

Muitos se descobriram negrxs, e vítimas do racismo, mas o Brasil não se assumiu racista

Bianca Santana. Quando me descobri negra. SESI-SP editora, 2015 O livro Quando me descobri negra, de Bianca Santana, é composto por 28 pequenos relatos. É de uma linguagem simples, objetiva, que narra vivências com as quais, nós, pessoas pretas nos identificamos, uma vez que temos algumas (muitas) experiências comuns. Eu, enquanto leitora preta, relembrei meu... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑