Pensar a alteridade no feminismo

“Toda a teoria feminista produzida por um grupo pequeno de mulheres brancas, letradas, burguesas ou em lugar de privilégios pretende a universalidade”: fala da teórica e ativista Yuderkys Espinosa-Miñoso, em entrevista ao segundo volume da revista Brejeiras (Feminismo descolonial: uma teoria voltada para luta) . Se eu não fosse uma mulher negra, se eu fosse... Continuar Lendo →

Os brutos e os mortos

Ana Paula Maia. Enterre seus mortos. Companhia das Letras, 2018. Publicado em 2018 pela Companhia das Letras, o livro Enterre seus mortos, de Ana Paula Maia, conta a história de Edgar Wilson, um removedor de animais mortos, e de Tomás, um padre excomungado que é amigo e colega de trabalho de Edgar. O cotidiano dos... Continuar Lendo →

A história de Michelle

Michelle Obama. Minha história. Objetiva, 2018. Michelle Robinson Obama nasceu em Chicago; estudou na Universidade de Princeton e na Escola de Direito de Harvard. Sua carreira como advogada teve início na renomada firma de advocacia Sidley & Austin, local onde Michelle conheceu seu futuro marido, Barack Obama. Depois, a intelectual negra também trabalhou na prefeitura... Continuar Lendo →

À escuta das “Anastácias Redivivas”

Começo este relato falando sobre uma sensação deliciosa que toda pessoa negra, que possui consciência da sua negritude, sente ao chegar a qualquer espaço elitizado: perceber que não se está sozinho, pois existem outras negras e negros ali, compartilhando e fruindo de tudo o que o ambiente pode oferecer. A tal sensação me invadiu logo... Continuar Lendo →

Uma preta na FLIP 2019

Neste último fim de semana, aconteceu a FLIP 2019, festa literária internacional de Paraty. Foi o segundo ano em que me dei a oportunidade de ir ao evento. Paraty é uma cidade turística que oferece duas principais atrações: o centro histórico e as belíssimas praias e cachoeiras no seu entorno. Para os amantes da literatura... Continuar Lendo →

O legado de Maurinete Lima

Maurinete Lima. Sinhá Rosa. Organização de Élida Lima. Invisíveis produções, 2017. Sinhá Rosa pode ser pensado como um livro-legado de Maurinete Lima – que publicou a obra em 2017, aos 74 anos, pouco antes de seu falecimento. Nascida no Recife, Maurinete construiu uma carreira como intelectual negra, formando-se socióloga e atuando como professora da UFRN.... Continuar Lendo →

Um mural para Eliana Alves Cruz

Mais uma ação para divulgar a produção de escritoras e intelectuais negras, o mural LetrasPretas homenageia uma das mais importantes escritoras brasileiras da contemporaneidade: Eliana Alves Cruz. Situado no Instituto de Letras da Uerj, o mural tem fotos de Eliana; citações de seus romances Água de Barrela e O crime do Cais do Valongo; e... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑