Uma menina da cor da meia-noite

Lupita Nyong’o. Sulwe. Tradução de Rane Souza. Rocco, 2019. Sulwe nasceu com a pele da cor da meia-noite. Essa é a frase que abre o primeiro livro assinado por Lupita Nyong’o – a premiada atriz e diretora nascida no México, de pais quenianos, que vem se destacando por um ativismo político do qual a obra... Continuar Lendo →

Diálogos em pretuguês

Diálogos em pretuguês: vozes de intelectuais negras – assim se intitulou o evento realizado em 30 de outubro, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Promovido em parceria pelo LetrasPretas e pelo LabMeRE, o evento reuniu pesquisadoras, pensadoras e escritoras que compartilharam suas trajetórias e reflexões acerca de produções intelectuais e culturais de mulheres... Continuar Lendo →

O que é possível num mundo de amor?

Cidinha da Silva. Kuami. Pólen, 2019. Era uma vez uma sereia amada e feliz, moradora do Sereal, filha de Hércules e Naomi, cantora de um coral de Cardinais Invertidos, amiga de Nandoctopus, sobrinha de Helena, irmã de Kuami do país Lunda Oi, pretas! Hoje vamos de resenha! Escrito pela mineira Cidinha da Silva e publicado... Continuar Lendo →

Miríades de Maréia

Miriam Alves. Maréia. Malê, 2019. Antecipo: recai em equívoco quem pensa que o título deste texto foi composto à maneira de um mero trocadilho. Ao nele mencionar “miríades”, tenciono, de fato, aludir a um aspecto fundamental desta mais recente obra de Miriam Alves: Maréia é uma obra que, se basilarmente construída a partir de um... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑