As formas de dizer o zero

Alexandra Vieira de Almeida. A Serenidade do Zero. Guaratinguetá: Penalux, 2017.

serenidadeMoradora do Rio de Janeiro, Alexandra Vieira de Almeida é Doutora em Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, poeta, contista, crítica literária, cronista e ensaísta. Atualmente, trabalha como agente de leitura na Secretaria de Estado e Educação, e é membro da Academia de Letras Teófilo Otoni (MG). Tendo seus primeiros livros publicados em 2011, Alexandra já ganhou alguns prêmios literários, além de publicar suas poesias em revistas e jornais independentes em todo o país.

Composto por 39 poemas, A serenidade do Zero traz ao leitor uma reflexão sobre o silêncio, o vazio, algo que muitas vezes se perde na loucura de um mundo que é cada vez mais frenético. Nesse cenário, a autora nos diz que devemos voltar ao zero, ao princípio. Ainda que tradicionalmente o zero seja visto de maneira negativa, reforçado socialmente com expressões populares como “zero à esquerda”, ou o medo de obter conceito zero em uma avaliação, é nele que encontraremos a plenitude do ser. Observamos que, além de ser um algarismo, ele é o início, a calmaria original perdida nos avanços do mundo. Ao longo dos poemas, percebemos que a busca por essa plenitude começa quando nos afastamos da agitação rotineira, daquilo que é extremamente caótico; ao final de toda essa jornada, a recompensa será a paz da serenidade.

A poesia tem a finalidade de revelar e ressignificar aquilo que é habitual; ao longo dos poemas, o zero surge como representação do elemento que vem romper tudo aquilo que é consenso atualmente. “O marasmo das palavras/ faz acordar preces/ sem um único som” – Silêncio. Mesmo que a busca pelo não-dito seja pregada, a mensagem dos poemas é abundante; dessa maneira, temos a impressão de que cada um dos escritos é, além de si mesmo, vários outros. Dessa forma, pode-se perceber que há muito o que ser dito sobre o zero – o que, de certa maneira, soa contraditório.

A Serenidade do Zero

Deus não está somente na esquerda nem na direita
Do zero proveio a multiplicidade dos outros números
Na confusão das formas
Das línguas das religiões
Precisamos voltar à fonte
A origem sem nome
Ao vazio primordial
Sem dualismo do bem e do mal
Sem som sem sabor
Sem perfumes ou cor
[…]
Nem céu nem inferno
Nem em cima nem embaixo
Nem cá nem lá
O zero em sua solidão não se identifica
O grau zero de serenidade
O divino em pleno despertar.

No poema que dá nome ao livro, a autora faz um apelo, “Precisamos voltar à fonte”, e nos mostra que a origem não é definida por coisa que temos aqui – em meio ao nosso caos –, não estaremos buscando isso ou aquilo, uma coisa ou outra, entendo que não existe dualidade na serenidade a ser alcançada no final da jornada, ela é íntegra em toda sua plenitude.

No verso “O mundo já deu o que tinha que dar”, de A delicadeza do silêncio, a autora não sugere que a humanidade seja destruída, ou algo do tipo. A questão levantada é a do antiperfeccionismo, a percepção de que o homem deve deixar de ser controlado pelo sistema criado por ele para controlá-lo. Nesse poema, novamente Alexandra reforça a ideia de encontrar a serenidade – delicadeza – no curso dos dias.

Antifilosofia

O pensamento
não suporta seu vazio

O homem explora enxaquecas
só de soletrar o nome do silêncio

Zeros se multiplicam elipses
Zero cortam as palavras em fragmentos

As letras rodopiam no prato de memórias
A sopa dos versos de areia
se desfaz no vento do deserto

Os camelos carregam livros com páginas em branco

Perigoso é o risco de filosofar

[…]

Nesse trecho de Antifilosofia é apresentada a inquietação da mente humana, a dificuldade que é desacelerar e se repensar, o quão doloroso é refletir sobre o silêncio. Está condicionada a trabalhar incessantemente, e no momento que começamos a desacelerar uma sensação de estranheza se instala.

Se pararmos para pensar no conceito de evolução – que representa um desenvolvimento contínuo de todas as coisas, da maneira mais ágil possível – e repensá-lo a partir de A serenidade do Zero, vemos que Alexandra sugere que façamos o movimento contrário para “… atingir um estado de serenidade e tranquilidade que ocorre no processo reflexivo, pois os poemas são de pura meditação” – palavras da autora durante uma entrevista a uma rádio. Devo dizer que em algum momento, no processo de leitura, me vi refletindo, os textos foram ferramentas poderosas no meu processo de desaceleração e questionamento e reflexão. Ainda que sejamos seres com características individuais, acredito que os leitores tenham sido atingidos, ou tocados, pela mensagem da obra.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: