Sombras de um cenário (des)conhecido

Léonora Miano. A estação das sombras. Pallas, 2017.

91gl57LbhjLLéonora Miano nasceu em 1973 em Douala, na costa de Camarões, onde passou a infância e a adolescência, antes de partir para França – onde, hoje, reside com sua família. Com dezenas de obras publicadas, a escritora já foi várias vezes premiada: ganhou o Prêmio Goncourt com Contorno do dia que vem vindo (2006), publicado em 2009 pela Pallas; já por A estação das sombras (2013), recebeu os prêmios Femina e Grand Prix do Roman Métis.

Em A estação das sombras, a autora camaronesa dá voz a quem há tempos esteve fora da História. A narrativa se passa em uma época pouquíssimo focada nos livros, tratando da população subsaariana no final do século XVI – época da chegada dos europeus e, consequentemente, início do período cruel de tráfico de seres humanos.

A história começa depois que um incêndio devasta as habitações de um povo isolado, os Mulongo. Em meio ao caos provocado pelas chamas, doze homens desaparecem: dez adolescentes recém-iniciados e 2 anciãos. Não há corpos, nem rastros. Dias mais tarde, as “mulheres cujos filhos não foram encontrados” são isoladas em uma habitação conjunta, a fim de que seu sofrimento não contamine os demais habitantes da aldeia – conselho dado em assembleia por Ebeise, anciã e primeira esposa do guia espiritual da tribo.

… Foi ela quem sugeriu que fossem alojadas sob o mesmo teto as mulheres cujos filhos não foram encontrados.
– Assim – declarou ela – sua dor será contida num recinto circunscrito, e não se propagará por toda aldeia. Temos muito a fazer para compreender o que aconteceu e depois reconstruir…

No decorrer da narrativa, várias questões são levantadas sobre o paradeiro dos doze desaparecidos; para encontrar um motivo para tão grande infortúnio, a tribo se indaga: A razão seria um ritual não realizado? Uma ofensa aos antepassados? Seria bruxaria? Com o tempo, fica evidente que os homens não encontrados não foram mortos, mas sim capturados por um povo vizinho e vendido como escravizados aos europeus – no livro, denominados “homens com pés de galinha”.

Ao longo da obra, são exibidos os retratos da escravidão e do sofrimento ao qual os povos africanos foram submetidos. Alguns personagens têm destaque; é por meio deles que conhecemos um pouco da história desse povo, como era a rotina dos habitantes, o abalo que a tragédia do incêndio causou e como se dá o lento processo de reconstrução e da busca por respostas.

– Tudo acontecia como num sonho. Não era real. Não era possível que estivéssemos vivendo aquilo. Iríamos acordar. Avaliar o desastre provocado pelo grande fogo. Cobrir o corpo de bravura para reconstruir. Honrar nossos ancestrais, pois não lamentaríamos perdas humanas. O fogo ao menos nos poupara a vida. Então, nós iríamos viver.

Temos acesso a ricos elementos espirituais e místicos da cultura africana por meio da escrita de Léonora, como o fato de sonhar é visto pelo povo Mulongo:

O sonho é uma viagem dentro de si próprios, fora de si próprios, na profundidade das coisas e para além delas. Não é somente um tempo, mas também um espaço. O lugar da descoberta. O da ilusão, por vezes, porque o mundo invisível está cheio de coisas maléficas.

De modo geral, a obra pinta o retrato de uma população em um cenário desconhecido e obscuro. Seres humanos que planejaram se beneficiar com o tráfico de outros seres humanos, ao mesmo tempo que esses seres humanos foram drasticamente arrancados do seio de suas famílias. É uma história pesada e sofrida, que gira em torno da morte e da vida que permanece depois dela; de como, apesar de grandes adversidades, o espírito humano segue lutando.

Confesso que demorei um pouco para entender a temática do livro – ou me obriguei a acreditar que o sumiço dos homens se tratava de algo realmente místico; conforme fui avançando na leitura e a temática da escravidão ficou evidente, tanto para mim quanto para os personagens, fiquei triste, não por não estar apreciando a leitura, mas por ter sido uma realidade trágica que ainda ressoa nos dias de hoje. De qualquer forma, minha reação foi bem ao encontro do planejado pela autora: “Não pensei em um livro que seria agradável aos leitores. Os tópicos sobre os quais eu escrevo não são exatamente o que se chama de entretenimento”, disse em entrevista à CULT.

Apesar de não ser uma de ser uma leitura que nos traga questões leves, a meu ver, A estação das sombras é um livro totalmente necessário, tanto pelo tema principal, quanto pela oportunidade que nos oferece de conhecer um pouco sobre os hábitos dos Mulongos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: