Tornando-se “sujeitA”

Grada Kilomba. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Cobogó, 2019. Grada Kilomba é uma escritora, psicóloga, teórica e, além disso, uma incrível artista interdisciplinar - criadora da exposição Desobediências Poéticas, apresentada na Pinacoteca de São Paulo em 2019. Nascida em Portugal, em 1968, hoje vive em Berlim, onde concluiu seu Doutorado com a construção... Continuar Lendo →

Tina Turner em uma história de resiliência

Tina Turner. Minha história de amor. BestSeller, 2019 Tina Turner, nome de batismo Anna Mae Bullok, nasceu em Nutbush, Tenessee, nos Estados Unidos. Dona de uma das vozes mais incríveis do rock’n’roll, de uma escrita sensível e composições carregadas de intensidade, Tina também possui um corpo dançante e, ao mesmo tempo, marcado por traumas, opressões... Continuar Lendo →

Repensando a nossa prática feminista

Audre Lorde. Irmã Outsider: ensaios e conferências. Autêntica Editora, 2019. Irmã Outsider é uma obra cujo título prenuncia as reflexões a partir da perspectiva de alguém que não está dentro dos padrões aceitáveis pela ótica racista e patriarcal das sociedades ocidentais – padrões que a autora da obra, Audre Lorde, chama de “norma mítica”, que... Continuar Lendo →

Ó pa í, prezada!

Carla Akotirene. Ó pa í, prezada: racismo e sexismo institucionais tomando bonde nas penitenciárias femininas. Pólen, 2020. Carla Akotirene é formada em Serviço Social e integra o quadro de docentes da Universidade Federal da Bahia (UFBA), centralizando seus estudos sobre racismo e sexismo institucionais. Também atua na Saúde Municipal, atendendo mulheres vítimas de violência doméstica.... Continuar Lendo →

As plurais mulheres do Cariri

Jarid Arraes. Redemoinho em dia quente. Alfaguara, 2019. Redemoinho em dia quente é a obra mais recente da cordelista, escritora e poeta Jarid Arraes, autora dos livros Um buraco com o meu nome, As lendas de Dandara e Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis – todos já resenhados aqui no blog. Lançada pelo selo Alfaguara,... Continuar Lendo →

A democracia da abolição

Angela Davis. A democracia da abolição: para além do império, das prisões e da tortura. Tradução de Arthur Neves Teixeira. 3ª ed. Difel, 2019. Angela Yvonne Davis é reconhecidamente uma das maiores referências dos movimentos igualitários, especialmente no que tange questões de raça e de gênero. A ex-colaboradora dos Panteras Negras compartilhou com o mundo... Continuar Lendo →

Um casamento, um descaso, não por acaso

Tayari Jones. Um casamento americano. Arqueiro, 2019. Um casamento americano é uma obra de Tayari Jones, escritora estadunidense. Tayari é autora de quatro romances, ganhadora de vários prêmios literários; além disso, faz parte do corpo docente do Departamento de Artes da Rutgers, em Newark, e atua como pesquisadora visitante no Black Mountain Institute, na Universidade... Continuar Lendo →

Echar de menos

Lubi Prates. permanece,. nosotros, editorial, 2019. permanece, é um volume que reúne dez poemas da tradutora, poeta e editora Lubi Prates, que em 2018 estourou com o livro um corpo negro, em que versificou temas que nos são tão caros, como é o caso do famigerado racismo estrutural. Em permanece, lançado em 2019, a poeta... Continuar Lendo →

Feminismo nosso de cada dia

bell hooks. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rosa dos Tempos, 2018. Escrita em linguagem simples, didática e acessível, a obra O feminismo é para todo mundo, da escritora bell hooks, vem para dialogar com a sociedade sobre temas que norteiam a vida das mulheres. Ainda que os estudos sobre gênero tenham, em... Continuar Lendo →

Na hora da virada

Angie Thomas. Na hora da virada. Galera Record, 2019. Publicado pela editora Record, Na Hora da Virada (On The Come Up) relata a história da jovem protagonista Brianna, uma adolescente de dezesseis anos que luta para conciliar o seu sonho de ser rapper, os problemas financeiros vivenciados em casa e os estudos. Bri é moradora... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑