Um outro Brooklyn

Jacqueline Woodson. Um outro Brooklyn. Todavia, 2020. Um outro Brooklyn foi o primeiro romance escrito e protagonizado por mulheres negras que eu li. Fiquei bastante eufórica em ler esse belo romance de Jacqueline Woodson, publicado no Brasil em tradução de Stephanie Borges – jornalista, poeta e tradutora negra –, porque a escritora diz ter revisitado... Continuar Lendo →

Ser uma criança negra na pré-escola

A pré-escola é uma fase fundamental na construção da autoestima de uma criança. Embora seja um processo que perdura ao longo da vida, é na infância que esse processo tem início e é a partir das primeiras experiências em sociedade – que acontecem, em maior parte, na escola – que o indivíduo desenvolve percepções de... Continuar Lendo →

“Não somos racistas! Racistas são os outros”

Djamila Ribeiro. Pequeno manual antirracista. Companhia das Letras, 2019. O primeiro ponto a ser observado no Pequeno manual antirracista da filósofa Djamila Ribeiro, é a acessibilidade da linguagem. Djamila constrói este texto recorrendo a uma linguagem de fácil compreensão; uma escrita objetiva que visa alcançar pessoas de todas as camadas e contextos sociais – afinal,... Continuar Lendo →

Cidinha da Silva, poeta

Na orelha de Canções de amor e dengo (Edições Me Parió Revolução, 2016), escreve Cidinha da Silva: “Não sou poeta, cometo alguns poemas e nesse ano comemorativo de 10 anos de carreira como escritora resolvi mostrá-los. São parte de mim e do meu trabalho e agora vão para a rua”. Esse é o tom que... Continuar Lendo →

Contra os silenciamentos

Fernanda R. Miranda. Silêncios prEscritos: estudos de romances de autoras negras brasileiras (1859-2006). Malê, 2019. Silêncios prEscritos constitui a versão em livro da tese de doutorado de Fernanda Rodrigues Miranda, defendida em 2019 e publicada no mesmo ano pela editora Malê. Qualificar o livro como uma obra de fôlego é recair na obviedade, considerando-se as... Continuar Lendo →

O legado da Rainha Guerreira

Linda M. Heywood. Jinga de Angola: a Rainha guerreira da África. Todavia, 2019. Jinga de Angola: A Rainha guerreira da África é uma obra biográfica escrita pela professora de história e estudos afro-americanos Linda Heyhood. Além de tratar aspectos relevantes sobre a trajetória de Jinga, essa produção revisita a origem do nosso povo e reafirma... Continuar Lendo →

Passos fincados na memória do afeto

Scholastique Mukasonga. A mulher de pés descalços. Nós, 2017. Quando eu morrer, quando vocês perceberem que eu morri, cubram meu corpo. Ninguém deve ver meu corpo, não se pode deixar ver o corpo de uma mãe. Vocês, que são minhas filhas, têm a obrigação de cobri-lo, cabe somente a vocês fazerem isso. – é com... Continuar Lendo →

Por um mundo sem prisões

Juliana Borges. Encarceramento em massa. Pólen, 2019. Autora do livro Encarceramento em Massa, parte da série “Feminismos Plurais” (que tem duas edições: a de 2018, pela editora Letramento, e a de 2019, publicada pela editora Pólen), Juliana Borges é feminista negra, antiproibicionista e antipunitivista. Em 2013, foi Secretária Adjunta de Políticas para Mulheres e Assessora... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑