Vozes da resistência (I)

Priscilla Mina (Org.). Vozes da resistência. Conexão 7, 2020.

Vozes da resistência, organizado pela editora Priscilla Mina e publicado pela Conexão 7 – empresa composta por Priscilla e seus dois irmãos que tem, entre seus propósitos, atender às demandas do povo negro – é o segundo volume do Projeto Identidade. Como o primeiro volume do projeto, Alma, que já resenhamos para este blog, Vozes da resistência reúne a produção literária de mulheres negras; não obstante, se Alma compilava poesias, Vozes da resistência compila narrativas assinadas por dezoito autoras, de diferentes origens e faixas etárias – o que contribui para a pluralidade de temas e registro presentes no volume. A obra conta com prefácio de Eliana Alves Cruz, a renomada autora de romances como Água de Barrela e O Crime do Cais do Valongo.

Se, como tantas vezes alertou Conceição Evaristo, o racismo impõe desafios particulares para que mulheres negras publiquem suas obras, coletâneas como Vozes da resistência são valiosas precisamente por oferecerem um espaço para a produção literária de escritoras negras – em especial, de novas autoras; ou daquelas que, já tendo outras publicações, costumam recorrer a obras coletivas. Por outro lado, isso possibilita o acesso a uma pluralidade de estilos e temáticas, como pretendo enfatizar nesta resenha – que, por motivos de espaço, dividirei em duas partes.

O livro se abre com “Poli Puff: quando o poder sobe à cabeça”, conto assinado por Ana Carolina Oliveira dos Santos, que trata de um tema de indiscutível importância: o impacto do racismo sobre a infância. Recorrendo a um registro próximo da literatura infantojuvenil, Ana Carolina descreve como a menina Poli consegue superar a opressão racista ao resgatar a própria ancestralidade, através das palavras de sua avó. O ambiente escolar ressurge no conto de Ana Paula Lopes, “Porque representatividade importa!” – que, também empregando um tom voltado a jovens leitoras e leitores, descreve como a menina Ana, após conhecer a exclusão por força do racismo, encontra acolhimento com a chegada de uma professora negra; isso que a inspira a tornar-se, igualmente, professora. Tematizando, em seus contos, a relação entre infância e escola, Ana Carolina Oliveira dos Santos e Ana Paula Lopes abordam aquele espaço em que muitas pessoas negras têm o primeiro contato com o racismo; ao fazê-lo recorrendo a uma escrita acessível ao público jovem, abrem a possibilidade de que seus contos sejam utilizados em sala de aula.

A capoeira surge em dois contos do livro. Em tom autobiográfico, Ana Carolina Lacorte Lima, no conto “Roda em Aruanda”, recorda como tomou conhecimento, através de “Tia Ana” – professora dotada de forte consciência política –, da existência de uma luta que certas pessoas julgavam ser uma dança, utilizada contra a opressão; através da capoeira, a protagonista do conto passa por uma experiência onírica que a leva até Aruanda, reencontrando seus ancestrais. Também Anamô Soares escreve sobre a capoeira, ao narrar, em “Dandara menina”, a história de uma menina que, seguindo os passos de seu pai, conhece a lenda do berimbau, motivando-se a construir seu próprio instrumento e a ensinar outras crianças a fazê-lo. Anamô e Ana Carolina abordam, em seus textos, a capoeira como um elemento cultural de fundamental importância, contemplando seu profundo significado para o povo negro.

Na segunda parte desta resenha, publicada na próxima semana, abordarei as outras narrativas de Vozes da resistência.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: