O legado de Maurinete Lima

Maurinete Lima. Sinhá Rosa. Organização de Élida Lima. Invisíveis produções, 2017. Sinhá Rosa pode ser pensado como um livro-legado de Maurinete Lima – que publicou a obra em 2017, aos 74 anos, pouco antes de seu falecimento. Nascida no Recife, Maurinete construiu uma carreira como intelectual negra, formando-se socióloga e atuando como professora da UFRN.... Continuar Lendo →

Escrita do corpo

Lubi Prates. um corpo negro. nosotros, 2018. um corpo negro é o terceiro livro de Lubi Prates, também autora de coração na boca (2012) e triz (2016). Contemplado pelo PROAC com bolsa de criação e publicação de poesia, um corpo negro é prefaciado por Lívia Natália, para quem “a autora desloca uma das bases que... Continuar Lendo →

Negras Almas

Priscilla Mina (organização). Alma. Rio de Janeiro: Conexão 7, 2018. Coletânea poética organizada por Priscilla Mina, Alma reúne textos de dezoito autoras, todas mulheres negras. Já numa primeira leitura, chama a atenção o modo original como o volume é organizado: os poemas de cada uma das autoras são reunidos em um capítulo próprio, intitulado a... Continuar Lendo →

Para entender a desigualdade racial brasileira

Gevanilda Santos. Relações raciais e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2009.   Coordenada por Vera Lúcia Benedito e publicada pela  Selo Negro edições, a coleção Consciência em Debate produziu diversas obras que se tornaram referências fundamentais para quaisquer tentativas de compreender a condição da população negra no Brasil. Conquanto a proposta original da... Continuar Lendo →

Dizer(-se) em águas e afetos

Lívia Natália. Dia bonito pra chover. Rio de Janeiro: Malê, 2017.   Já em seu poema de abertura, mais precisamente no verso final, Dia bonito pra chover se apresenta como “um livro todo feito de sol” – expressão que explicitamente dialoga com o título da obra. A dimensão essencialmente solar do livro de Lívia Natália,... Continuar Lendo →

“Nas nuvens”, de Miriam Alves: notas para uma análise formal

Um aspecto frequentemente negligenciado – ou, quando menos, subestimado – na literatura de autoria negra como um todo, e nas produções poéticas em particular, são os aspectos formais. Sem desprezar a relevância de análises que enfatizam questões temáticas, importa ressaltar que a sobrevalorização do “conteúdo”, em particular quando isso implica uma desconsideração das particularidades da... Continuar Lendo →

Kathleen Cleaver, Pantera Negra (parte II)

Outra demonstração da visibilidade que Kathleen Cleaver alcançara no Partido Pantera Negra foi sua candidatura à Câmara Municipal, em 1968 – mesma ocasião em que Eldridge Cleaver se candidatara à presidência. Resultado de uma coalizão com o Peace and Freedom Party, a candidatura consistia basicamente em um gesto político contra Willie Brown, negro eleito deputado... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑