Ó pa í, prezada!

Carla Akotirene. Ó pa í, prezada: racismo e sexismo institucionais tomando bonde nas penitenciárias femininas. Pólen, 2020. Carla Akotirene é formada em Serviço Social e integra o quadro de docentes da Universidade Federal da Bahia (UFBA), centralizando seus estudos sobre racismo e sexismo institucionais. Também atua na Saúde Municipal, atendendo mulheres vítimas de violência doméstica.... Continuar Lendo →

Não há luta sem repúdio

Foi diante do comentado caso do discurso de ódio aos homens gays por parte do cantor Mc Poze que refleti sobre as ideias de "bolhas" colocadas nas redes sociais. Por ser uma aluna oriunda de universidade pública, ambiente majoritariamente branco, concluí que meu corpo atravessa duas bolhas “impermeáveis”, e isso faz com que eu assuma... Continuar Lendo →

Blackface é RACISMO

O blackface, que em tradução livre pode ser entendido como “rosto de preto”, começou a ser utilizado por artistas brancos para interpretar pessoas negras, que eram proibidas de atuar no teatro, de forma caricata e exagerada. Não existe nada de engraçado ou elogioso no blackface, uma vez que tanto a interdição de artistas negras e... Continuar Lendo →

Para entender a desigualdade racial brasileira

Gevanilda Santos. Relações raciais e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2009.   Coordenada por Vera Lúcia Benedito e publicada pela  Selo Negro edições, a coleção Consciência em Debate produziu diversas obras que se tornaram referências fundamentais para quaisquer tentativas de compreender a condição da população negra no Brasil. Conquanto a proposta original da... Continuar Lendo →

Mariana

Essa criança da foto acima é Mariana, minha afilhada. Ela tem 4 anos e é uma criança negra – vocês perceberam, né? Mariana é criada por mulheres negras: a mãe, a vó, a tia e eu. A nossa casa sempre teve a força e a luta matriarcal, e não somos, nenhuma de nós, elementos desajustados... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑