Empoderamento como prática de enfrentamento

Joice Berth. O que é empoderamento? Pólen, 2019. “A revolução começa comigo, no interior. É melhor reservarmos tempo para tornar nossos interiores revolucionários, nossas vidas revolucionárias, nossos relacionamentos revolucionários. A boca não vence a guerra” – é com esta citação de Toni Cadê Bambara que Joice Berth (arquiteta e urbanista, especialista em Direito Urbanístico e... Continuar Lendo →

A música como (re)existência

Larissa Ibúmi Moreira. Vozes transcendentes – Os novos gêneros da música brasileira. São Paulo: Hoo editora, 2018. Larissa Ibúmi Moreira é uma historiadora mineira negra, graduada pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP), e lançou em agosto de 2018 Vozes transcendentes – Os novos gêneros da música brasileira,... Continuar Lendo →

Um corpo negro num país racista

Lubi Prates. um corpo negro. nosotros, 2018. Livro publicado em 2018 pela poeta, editora e tradutora paulistana Lubi Prates, um corpo negro nos faz viajar em uma espécie de máquina temporal que nos joga ao passado, mas que, repentinamente, nos devolve ao presente, como se o eu-lírico, sob a voz de uma mulher negra, caminhasse... Continuar Lendo →

O coração pulsa verde e rosa

Nestas semanas de folia, os sambas-enredo de duas escolas que compõem o grupo especial me chamaram a atenção, colocando-se como uma antítese perfeita uma da outra. Ambas cantaram a história, mas sob perspectivas explicitamente opostas. Falo da Unidos de Vila Isabel e da Estação Primeira de Mangueira. Neste ano, a Vila homenageou Petrópolis, a cidade... Continuar Lendo →

O Feminismo, por Chimamanda

Chimamanda Ngozi Adichie. Sejamos todos feministas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. Sejamos todos feministas é um ensaio que surgiu a partir da adaptação de uma palestra ministrada em 2012 por Chimamanda Ngozi Adichie – escritora nigeriana, autora dos romances Meio sol amarelo (2008), Hibisco roxo (2011) e Americanah (2014). Sejamos todos feministas é uma... Continuar Lendo →

Um lugar para chamar de meu

Jarid Arraes. Um buraco com o meu nome. São Paulo: Ferina, 2018 “Aos que nem sempre encontram matilha”: é com esta dedicatória que somos levadas a um lugar seguro e confortável para penetrar nos versos do primeiro livro de poesia de Jarid Arraes, Um buraco com o meu nome, lançado agora em 2018, mas que... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑