Reconstruir o humano

Lílian Paula Serra e Deus. A palavra em preto e branco. Colatina: Clock-t Edições e Artes, 2017. A palavra em preto e branco – título que, por si só, evoca a imagem de um texto, fazendo uma alusão imediata à letra e ao papel, e que também proporciona uma sensação de completude, em que um... Continuar Lendo →

Por uma releitura de Laura Santos

Laura Santos ocupa um lugar bastante singular na história da literatura brasileira, enquanto voz solitária da poesia negra de autoria feminina na Curitiba dos anos 1950. Nascida em 1919, Laura Santos começou a escrever poesias ainda bastante jovem, alcançando um reconhecimento notável: já em 1938, seu nome surge no primeiro tomo da Antologia Paranaense editada... Continuar Lendo →

As formas de dizer o zero

Alexandra Vieira de Almeida. A Serenidade do Zero. Guaratinguetá: Penalux, 2017. Moradora do Rio de Janeiro, Alexandra Vieira de Almeida é Doutora em Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, poeta, contista, crítica literária, cronista e ensaísta. Atualmente, trabalha como agente de leitura na Secretaria de Estado e Educação, e é membro... Continuar Lendo →

Excedendo e resistindo (a)o “fluxionismo” do cotidiano

  Nina Rizzi. Geografia dos Ossos. Lisboa: Douda Correria, 2016. Nina Rizzi é escritora, pesquisadora, tradutora e poeta. Entre as suas diversas obras publicadas estão Tambores Pra N’zinga (poesia, Editora Multifoco, 2012); Caderno-Goiabada (prosa ensaística, Edições Ellenismos, 2013); Susana Thénon: Habitante do Nada (tradução, Edições Ellenismos, 2013); A Duração do Deserto (poesia, Ed. Patuá, 2014);... Continuar Lendo →

Poesia sem amarras

Ryane Leão. Tudo nela brilha e queima. São Paulo: Planeta do Brasil, 2017 Mulher, preta, poetisa e professora, Ryane Leão nasceu em Cuiabá, mas vive em São Paulo, e publica suas poesias nas redes sociais há 10 anos, onde possui um perfil chamado Onde jazz meu coração. Integra um projeto para colar lambe-lambes feministas pelas... Continuar Lendo →

Lirismo e libertação

Jenyffer Nascimento. Terra fértil. São Paulo: Edição da autora, 2014. Começo esta resenha com duas citações, colhidas nos textos prefaciais a Terra fértil. A primeira, de Carmen Faustino, apresenta Jenyffer Nascimento como "mulher negra periférica, escritora, mãe, estudante, educadora, boêmia, raiz, ventania e liberdade"; a segunda, de Elizandra Souza, descreve a poesia de Jenyffer como... Continuar Lendo →

Poesia de Silêncios

Eliane Rubim. O não-dito. Porto Alegre: Livraria Palmarinca-EDITORA, 2005. Jornalista, filósofa, cineasta, ativista engajada em movimentos sociais, Eliane Rubim entende a escrita como um instrumento de expressão muito potente. Nascida em Alegrete (RS), em 17 de dezembro de 1984, atualmente faz parte de coletivos libertários e de agitação cultural. Também tem uma larga experiência com... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑